domingo, 6 de junho de 2010

O Carater Conspirador das Banda de Música


  • Qualquer marcha de passo dobrado (marcha militar), composto antes de 1930 representa um pouco do espírito conspirador que as bandas de música representavam até aquele momento. Muitas coisas contribuíram para a mudança deste caráter em nossas bandas, mas a principal delas foi uma mudança política profunda.

A Revolução de 1930 (era Vargas) acabou com a organização autônoma das regiões, e com isso a influência das bandas nas cidades; determinou o fim do regionalismo, a conversão das bandas de conspiradoras, formadoras de opinião, em células cívicas, atreladas à política oficial da música.

  • Segundo o Maestro Fred Dantas, nesta época, certos dobrados que tinha caráter conspirador tiveram suas execuções proibidas pelo poder oficial, dentre eles o dobrado "Bombardeio da Bahia". Quem tocava era preso! Na revolução de 30 durante cinco anos todas as manifestações populares foram proibidas (bandas, coreto, etc.).
As bandas de lá pra cá com o fortalecimento do poder central e a política de criação dos mitos nacionais chegam aos anos 40 como organizações sobretudo dóceis. Saímos da época dos mitos regionais como lampião, Zezé Leão e outras figuras que cada cidade produzia, para a época dos grandes mitos nacionais criados com a força do rádio, como: Francisco Alves, Carmem Miranda, Roberto Carlos, Pelé, etc.
  • Isso explica um pouco a imagem romântica que se construiu a parti da década de 30 em torno das bandas de músicas e vindo consolidar-se nos dias atuais... Uma re-criação onde perdemos mais que uma marca, perdemos nossa característica de "FURIOSA" em troca de um carinhoso "BRIOSA".

A falta de respeito pelas bandas não tem limite. Como diria o nosso companheiro Nylton Batista:

"Começa com o próprio termo "banda", desviado da verdadeira banda para qualquer conjunto de música popular, independentemente de sua formação e do gênero de música executado. Os dicionários registram diversos conceitos para o termo, mas na área musical, até há alguns anos, o termo designava apenas "conjunto de músicos tocadores de instrumentos de sopro e de percussão, formado no estilo militar". E, mais ou menos essa, é a definição do Dicionário de Música (Zahar Editores - 1985).

  • Banda de música sobrevive somente porque é fruto de trabalho voluntário, soma de boa vontade entre músicos, respectivas famílias e amigos. Integrado à banda e a ela dirigindo o melhor de si, o músico se sacrifica para que ela não sucumba diante dos percalços, que não são poucos. Atrás dele vêm então a família, amigos e defensores das tradições locais. Embora se constitua forte elo da cultura nacional e mais ampla escola de música, gratuita e aberta a todos, o Estado não lhe dá devida proteção, direcionando-lhe tão somente sobejos via renúncia fiscal a título de ajuda.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário