domingo, 13 de março de 2011

A Missão de Formar

Maestro Rocha Sousa
  • Depois de anos contribuindo para o engradecimento da nossa música, seja: através da revelação de uma diversidade de músicos em vários projetos e cidades por onde temos atuado, seja através da transformação de idéias musicais em partituras, ou seja pesquisando empiricamente a história da música em nosso estado, chego à conclusão que a missão de formar é mesmo o melhor trabalho que conseguimos desenvolver ao longo de todos esses anos. Continuar esse trabalho de formar novos músicos que tenham em seu perfil a capacidade de se multiplicar respeitando as tradições e de olho nos novos desafios deve ser o nosso foco principal de agora em diante.

Orquestra Jovem de União-Pi (2011)

Precisamos continuar proliferando essa especialidade de músico que compartilhe seus conhecimentos pensando no crescimento da música e na coletividade. Foi pelas mãos de um músico que pensava assim que tive minha oportunidade e continuo hoje, 25 anos depois, seguindo e defendendo a mesma filosofia de uma música democrática e profissionalizante para todos, sem individualismo.

Banda de Música do Escolão Mocambinho (foto / setembro 1991)
  • Na verdade, esse trabalho de oportunizar jovens para despertar vocações, talentos e trilhar um caminho em busca de uma vida profissional, já foi mais dificil. Hoje é compartilhado entre muitos companheiros, cabendo as vezes a nós, apenas o privilégio de coordenar as ações do que costumo chamar de “pequena revolução silenciosa”, que a rigor é repleta não só de sonhos, mas de sons.
Banda de Música do Escolão Mocambinho (foto / abril 1998)

O sucesso desse trabalho não tem um dono, é dividido entre todos os que contribuem com a iniciativa. Desde as instituições que finaciam, as comunidades envolvidas, os alunos que participam, aos ex-alunos, que como monitores e instrutores repassam aos novos alunos e futuros colegas o que lhes foi ensinado.
Banda de Música do Escolão Mocambinho (foto / setembro 1997)

Banda de Música do Escolão Parque Itaraté (foto / março 1999)

2 comentários:

  1. Quando se faz música com as condições adversas que fazemos e se tem um bom resultado, não se faz só música, se faz revolução!

    No Escolão do Bairro Mocambinho a Banda de Música há mais de 20 anos entrou na sala de aula como matéria optativa no curriculo de iniciação profissional ministrada pelo mestre Rocha Sousa e sua equipe.

    O curso técnico de iniciação musical com duração de 03 anos tem feito o milagre da música piauiense.

    No Brasil depois de anos de luta, somente agora em 2011 por força de uma lei, que as escolas irão implantar a música em sua grade curricular.

    ResponderExcluir
  2. Amigo Maestro Rocha Sousa.
    Seus pensamentos e ações, retratam com muita propriedade a célebre frase dita reiteradas vezes pelo saudoso maestro Luiz Santos.
    "Feliz do aluno que supera o mestre e triste do mestre que não gosta disso".
    Eu sei que é muito difícil superar uma potência do seu nível, mas se um de seus discipulos conseguir, eu sei que com toda sua humildade, "você vai gostar disso". Abraços de seu fã.
    Costa Filho, o agente 190.

    ResponderExcluir