domingo, 27 de fevereiro de 2011

Banda PMPI e o Conjunto "Os Milionários"

Banda PMPI / 1962
  • As dificuldades de acesso existente até o inicio dos anos 70 do sec. XX, aos mais distantes municípios do Piauí a parti da capital, fizeram com que a banda de música da Policia Militar do Piauí fosse ao longo de muitos anos a única forma de cultura estatal que se fazia presente nesses municipios.

Pesquisando a história da Banda de Música da Policia Militar do Piauí, percebe-se que desde sua criação em 1875 até 1971 (antes da modernização do estado pelo governo Alberto Silva), que a mesma, exercia um papel papel politico cultural que estrapolava as atribuições de uma banda de música de concerto e desfile. A mesma atuava como uma espeicie de centro de difusão da cultura musical no estado.

Para entender melhor o papel exercido pela "Banda PMPI" na época em questão, é necessario que se faça algumas considerações sobre aquele momento hitórico:

  • Não existia naquela época no estado um orgão que fizesse as vezes de uma Secretaria de Cultura;
  • A banda não exercia apenas sua atividade fim (tocar em solenidades), também fazia um trabalho de educação musical formando seus musicos através de sua propria escola de música;
  • Por ser a única referência musical ligada ao gorveno do Piauí seus mestres eram constantemente deslocados para vários municipios a fim de formarem bandas, como por exemplo: o mestre Sebastião Simplicio nas cidades de Valença - Pi e União - Pi; o mestre Pigoreiro nas cidades de Amarante e Piripiri; e o mestre Luiz Santos na cidade de José de Freitas, dentre outros.

A Banda PMPI além de atender as funções oficiais junto ao cerimonial militar da PMPI, atender ao cerimonial do governo do Estado do Piauí e atender a comunidade em geral, atendia ainda uma extensa agenda de apresentações musicais junto aos municipios, pricipalmente nos periodos das festividades religiosas.

Para atender a demanda de solicitações da época, a Banda PMPI mantinha varias formações musicais em seus quandros, como: as bandas de música, os jazz-band, os conjuntos musicais e até uma orquestra de cordas no inicio do sec. XX como nos aponta algumas fontes escritas dos anos 20.

  • Até o final dos anos 50, essas formações viviam uma rotina de deslocamento por todo o estado, viajando em cima de caminhões sem condições de segurança e sem o minimo conforto para os músicos. Trafegavam sobre estradas de chão que somente a força de um comando militar para fazer cumprir tão arduas missões. Essa rotina só se modificou quando no inicio dos anos 60 foi criado a Banda da PMPI nas cidades de Picos, Floriano e Parnaiba.
Jazz Band da PMPI no Inicio dos Anos 40 comanda pelo Brigada Sebastião Simplicio.

O CONJUNO "OS MILIONÁRIOS"
No inicio dos anos 60 do sec. XX, a produção da música de entretenimento passava por mudanças radicais. As orquestras de salões ou jazz bands que estiveram em volga desde o inicio do século davam lugar as novas formações musicais advinda da revolução causada pela amplificação eletrica e sua utilização nos instrumentos musicais. Surgem então os modernos conjuntos musicais, uma formação bem mais leve que as grandes orquestra de música popular, composta apenas por uma seção de base-harmônica: guitarra, contrabaixo, orgão e bateria jazz e uma seção de metais.

Buscando adequar se aos novos tempos em 1963 a PMPI cria o conjunto "Os Milionários". A organização do novo conjunto ficou a cargo do maestro Luiz Santos que para isso contava com integral apoio do comandante da corporação o Coronel Torres de Melo. O nome do grupo "Os Milionários" é uma homenagem ao compositor José Bispo integrante da Banda PMPI e autor da música "o milionário" um dos sucesso do conjunto.
  • Os locais onde antes era animando pelo Jazz Band da PMPI como as tradicionais tertúlias do famoso Clube dos Diários de Teresina, passaram a contar também com a presença do Conjunto "Os Milionarios".
O conjunto "Os Milionários" se tornou muito popular e muitas vezes teve que tocar em outros estados como o Ceará e o Maranhão a convite do governo daqueles estados. O governo do Piauí, de tão grande entusiasmo, mandou trazer diretamente de Fortaleza a gravadora Orgacine, que, ao chegar em Teresina, instalou-se nos estúdios da Rádio Pioneira e gravou long play com "Os Milionarios".
A gravação do LP teve prensagem na RCA Victor de São Paulo. Dentre as canções que compunham o LP estavam: “Baião da Saudade” e “Simplício e seu Clarinete”, (de Luis Santos); “Milionário” (José Bispo); “Linda” (Bruno do Carmo) e “Olha a Bossa” (Simplício). Esse histórico LP foi gravado em 1965 e Os Milionários era composto por: Simplício Cunha (saxofone e clarinete), Edilson Setúbal (piano solovox), Artur Pedreira (bateria), Lourival Marques (baixo), Bruno do Carmo (guitarra), Gabriel Oliveira (percussão) e João de Deus (cantor). Segundo as informações do maestro Luis Santos, o conjunto atuou de 1963 a 1970.

Os Milionários da PMPI
  • A banda PMPI também teve outros conjuntos musicais mas todos foram disolvidos até o final dos anos 70.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Vagner Ribeiro e as Tradições Culturais Nordestina

Vagner Ribeiro

Vagner Ribeiro nasceu em Piripiri – PI, em 22 de junho de 1973. Filho de Elias Ribeiro, um conhecido quitandeiro da Rua de Cima, em Piripiri. A influência musical deu-se por parte de seu avô Antonio Coutinho e seu tio Zé Chico, ambos amantes da música executada ao Violão. Na adolescência Vagner Ribeiro participou do grupo de jovens JAC (Jovens Amigos de Cristo) onde desenvolveu a prática musical ao tocar em encontros de jovens, missas, casamentos, etc.
  • Na mesma época começou a tocar serenata nas noites enluaradas de Piripiri. Muitas donzelas foram acordadas, à meia noite, pelos acordes macios do violão de Vagner Ribeiro. Ainda muito jovem teve como parceira de serenata a bandolinista decana Maria Bandeira. Tempo bom para conhecer e gostar de música boa.

Em 1991 foi convidado a fazer um intercambio cultural na França, onde morou como voluntário intercontinental no mosteiro de Taizé. Na Europa a visão musical se ampliou pelo contato direto com músicas e culturas deferentes. Trabalhou ainda em Barcelona, Portugal, Romênia e Hungria. Voltando a Piripiri em 1992 ensinou Inglês em escolas privadas e começou estudar melhor a Música. Sua primeira leitura em partitura foi tocando clarinete na Banda de MúsicaOrdem do Buriti”.

Em 1994 foi estudar Música na Universidade Federal do Piauí, em Teresina, onde passou a integrar o Coral da UFPI e o Madrigal VOX POPULI. Foram dez anos de experiência em muitos recitais de música erudita e popular pelos bairros de Teresina.

  • Apresentou-se também em São Luis – MA, Belém – PA, Brasília – DF, Campina Grande – PB. Participou de várias gravações de CDs no Piauí. Destaque para o “Coral em Canto” (UFPI, 1998). Como compositor em festivais de música popular, guarda alguns troféus pelas músicas: Contradição (I FEMP - Piripiri, 1990), A Paz (I FEMUC – Piripiri, 1992), Gente (I MONTE CASTELO, 1998), Baião no Terreiro (III CANTOS DO PIAUÍ – TERESINA, 2005), Morro de Saudade (V CANTA PIRIPIRI, 2006).

Participou de vários cursos de Regência Coral, dentre eles: Londrina - PR, Brasília – DF, Campina Grande – PB e Viçosa – CE. Fundou e regeu vários corais em Teresina, dentre eles o Coral Sol da Terra (INSS), Rainha da Paz (B. São João), Coral Jubilate (Colégio Diocesano), Coral Infantil “Gomes Campos” (CODIPE), “Canarinhos de Carnaubais” (Universidade Solidária -RN), Coral Infantil “Amanhecer” (B. Ilhotas).

  • Especialista em História da Arte e da Arquitetura (ICF, 2005), atualmente Vagner Ribeiro exerce as seguintes funções em Teresina: Educador musical no Colégio Diocesano desde 1997; Cantor (tenor) do Grupo Ensaio Vocal desde 2002; Chefe da Divisão de Cultura Popular / Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves desde 2009;

Como líder da banda “Valor de PI” Vagner Ribeiro tem-se apresentado com o espetáculo “O Piauí Contando História”. Neste trabalho o compositor interpreta músicas próprias, resgata, fomenta e divulga valores da cultura piauiense, elementos presentes nas tradições populares como Reisado, Divino, Roda de São Gonçalo, Poesia Cabocla, Filosofia Popular, enfim, uma pesquisa musical fundamentada nas manifestações culturais.

  • Já se apresentou em Teresina no Theatro 4 de Setembro, Teatro do Dirceu, Teatro Do Boi, Clube dos Diários, Rio Poty Hotel, Luxor Hotel, Metropolitan Hotel, INSS, Antonio’s, Sala Madre Escobar, Ministério Público, SEBRAE – PI, APPM, Teatro da Assembléia Legislativa, Colégio Diocesano, Instituto Camillo Filho, Instituto Dom Barreto, UFPI, UESPI, TCE, Caminhada da Fraternidade, Sindicato dos Urbanitários, Sind. Dos Bancários, NOVAFAPI, Ministério da Fazenda, SALIPI, FIEPI, Centro de Convenções, Caravana Brasil de Turismo (Sete Cidades), Porto – PI, Santa Cruz dos Milagres – PI, Batalha-PI, São Miguel do Tapuia-PI, João Costa – PI, Piripiri-PI, Fortaleza – CE, I Salão do Turismo na Expor Center Norte em São Paulo – SP, Museu da República em Brasília - DF, ABAV no Rio de Janeiro - RJ, I Mostra Nordeste de Cultura em São Paulo – SP, PIAUÍ SAMPA 2008, PIAUÍ SAMPA 2009 no Shopping Eldorado em São Paulo – SP, Workshop de Turismo no Hotel Braston em São Paulo – SP, Obá Restaurante (SP), Serra da Capivara – São Raimundo Nonato (PI), Bom Jesus (PI), São João da Serra (PI), Crateús (CE) dentre outros.

Em 2011 Vagner Ribeiro lança o CD “O Piauí Contando História” e realiza um novo espetáculo chamado “Nas Quitandas do Interior”, que faz uma homenagem à diversidade cultural encontrada no universo dos vendedores de quitandas tradicionais no Nordeste. Junto com o espetáculo será lançado o cordel “Filosofia de Quitanda”.

  • * Texto Retirado do Site de Vagner Ribeiro.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

O Mestre de Banda

Mestre: do latim magister, magistri: o que comanda, dirige, conduz.

  • O mestre é um modelo (tem que ser) de músico e amigo, animador cultural e cidadão engajado. Sua vida é um exemplo para os mais jovens. E o exemplo é sua principal ferramenta como educador. (Higino, 2005)

No ensino, para que isso aconteça precisamos de três elementos: um agente, uma mensagem e um educando. No caso da banda de música estes serão: o Mestre, o ensino da música e o aluno. (Aranha,2006)

Os mestres de banda brasileiros, ao longo de mais de um século de intensa vivência musical, além de regentes, têm exercido também a função de professores, lecionando música para estudantes jovens e adultos. Desenvolveram uma metodologia de ensino-aprendizagem organizada para que o desempenho favoreça um preparo rápido para o aluno ingressar no grupo.
  • Elaboraram um programa misto de ensino da música instrumental que possui diferentes técnicas de ensino, onde não há seriação do processo didático. Este programa possibilita a adequação do treinamento à realidade de cada aprendiz, respeitando seu desenvolvimento sem imposição de um modelo pedagógico padronizado para todos os alunos.

Grande parte deste aprendizado também se dá através do relacionamento com os músicos mais antigos, tanto na fase de estudante como após o ingresso como membro oficial da banda. Insiste na convivência diária de seus integrantes com a rotina musical da entidade. Isso funciona como meio de ampliação, continuidade e aprimoramento de sua formação musical, além de influir diretamente na renovação do contingente de cada corporação.

Na banda de música, o que jamais se perde de vista é o fazer musical. O estudante entra na escola sabendo que é pra tocar na banda. Assim, a banda tem seu próprio modelo de educação musical.

  • As bandas de música são portadoras de uma arte profunda, fruto da dedicação dos mestres e da compreensão de uma comunidade que combina o estado de espiírito contemporâneo com sua memória afetiva, o que resulta em um trabalho magnífico e, mantendo ainda uma forma original, acolhe uma preciosa legião de músicos profissionais que nenhuma outra corrente ou instituição cultural é capaz de acolher. Falta-nos ainda um aprofundamento sobre a história da música brasileira passando pelas bandas que trouxeram toda a massa da cultura popular para dentro da música pré-erudita brasileira.
Os mestres de banda são, sem dúvida, referência de toda a consciência universal que a música brasileira contempla em sua multiculturalidade. Esses mestres devem ser considerados como um dos patrimônios da cultura brasileira por formarem uma imensa massa de profissionais de qualidade da nossa música.
  • Bibliografia: História e Música nas Filarmônicas, 2009, Prof. Dr Celso Benedito /UFBA

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Luizão Paiva no Mundo da Música


  • Luizão Paiva concedeu uma entrevista ao Portal Medplan e fala sobre sua carreira musical como maestro, compositor e instrumentista. Com os devidos créditos ao Portal Medplan em seu quadro "Retrato 3/4 de quem é 100/100", julgamos importante transcrevemos a entrevista aqui no "História e Música no Piauí".
Matéria: "Luizão Paiva: Um Piauiense Notável no Mundo da Música".
Publicação Original: Portal Medplan
  • Através do toque suave das notas tocadas no piano, o músico Luiz Paiva compôs e interpretou com grandes nomes nacionais e passou por platéias do mundo todo mostrando seu talento. Nesta entrevista, ele fala da carreira e de seus projetos.
Luiz Paiva é um piauiense que rodou o mundo mostrando seu enorme talento como pianista. Tocando piano desde os seis anos de idade, Luizão Paiva, como é conhecido, descobriu a música através de sua avó, a maestrina Adalgisa Paiva, que foi aluna de Villa Lobos. Por insistência dela, o jovem talento foi viver em São Paulo, para estudar no Colégio Arquidiocesano, que tinha em sua grade curricular o ensino de música.
Para atender a um desejo do pai, Luizão Paiva ainda estudou Engenharia até o terceiro ano, no Rio de Janeiro. Mas a paixão pela música falou mais alto, e sua escola se tornou a Escola de Música Pró-Arte, no Rio. Depois seguiu para os Estados Unidos, onde tornou-se Bacharel em "Professional Music" (composição, arranjo e performance), na Berklee College of Music, em Boston. Apresentou-se em vários jazz clubs e recebeu da Berklee College Of Music o prêmio "Lennie Johnson ", por mérito musical.
Uma das primeiras composições de Luizão foi a trilha sonora de abertura da primeira versão da novela "Roque Santeiro", produzida pela TV Globo. Como instrumentista, trabalhou na peça "Gota d'Agua"com Chico Buarque e sob a direção de Dorival Caymmi. Trabalhou também com Bibi Ferreira na peça “Brasileiro: Profissão Esperança”. Tocou ainda com cantores importantes da MPB; entre eles, João Bosco, Nana Caymmi, Moraes Moreira, Carmem Costa, Nora Nei e Jamelão. Com a família Caymmi, fez temporada no "Blue Note", em New York e na Europa.
Depois de trinta anos acompanhando cantores pelo mundo, Luizão Paiva voltou a Teresina, onde montou a Escola de Música Adalgisa Paiva, na UFPI. A EMAP é mantida através de convênio com a SEDUC – Secretária de Educação do Estado, e realiza o trabalho de formar músicos profissionais para o mercado. Antes de uma apresentação em Teresina, Luizão concedeu uma entrevista ao portal Medplan. Confira.

- De onde vem tão rica herança musical?

Minha bisavó, mãe da minha avó, dona Alípia de Paiva, cantava muito bem. E havia minha avó, Adalgisa Paiva, que teve influência mais forte. Ela estudou com Villa Lobos, um dos maiores maestros que o Brasil já teve. Durante um ano e meio no Rio de Janeiro, ela fez um curso de música e trouxe seu aprendizado pra cá. Foi uma das pioneiras aqui no Piauí.
- Como foi sua introdução no mundo da música?

Aprendi piano com a minha avó muito cedo, depois estudei no Colégio Arquidiocesano de São Paulo, com um mestre italiano. Fui para o Rio de Janeiro, pra Pró-Arte, em Laranjeiras. Lá eu era aluno do Homero Magalhães, Hélio Sena, e toda uma turma boa. Só “cabeção” da música do Rio. Comecei a ser profissional quatro anos depois, com 20 e poucos anos, quando já tocava em bares do Rio de Janeiro. Meu professor até brincava comigo quando eu chegava, meio tonto, nas aulas pela manhã, depois de ter tocado a noite inteira no bar. Daí eu tocava um Bach*, mas numa roupagem meio “jazzista”. Aí o professor chegava pra mim e perguntava “Vais tocar Bach como se fosses um pianista de Jazz?” Mas eu sou um pianista de Jazz, respondia eu. Fiquei um bom tempo no Rio, e foi aí que eu comecei a conhecer as pessoas certas.
- Antes de se profissionalizar na música o senhor ainda cursou Engenharia. Como foi largar esta formação para se aperfeiçoar musicalmente?

Fiz Engenharia até o terceiro ano. Quando eu larguei foi uma confusão na minha casa. Meu pai era tabelião, me mantinha no Rio, e cortou a ajuda quando deixei o curso de engenharia. Minha mãe, então, passou a me apoiar, meio oculto, vendendo suas jóias e mandando a grana pra mim. Minha mãe é uma figura ! E também é musical. Toca piano e canta.
- E como se deu o seu ingresso no cenário internacional?

Quando eu comecei a trabalhar e a aparecer tocando com músicos famosos, fui pros EUA, me graduei em Boston, na Berklee College of Music, onde fiz graduação em Música . Mas não aguentei ficar nos EUA muito tempo e voltei pro Brasil, porque estava cansado do estilo americano. Eu estava lá há uns três anos ininterruptos, e se eu não voltasse pro Brasil eu teria "pirado". Trabalhei muito, estudei, ganhei bolsa, etc. Isso porque eu tocava muito bem, o que dava nome à escola. Fiquei até os 31 anos por lá. Fui casado daqui, meu primeiro filho, Luizinho, nasceu em Boston. Então me separei, e ele foi com a mãe pra França. Depois ele veio para o Brasil, e morou 6 anos comigo. Aqui no Brasil eu continuei fazendo meu trabalho. E viajava o Brasil todo, Europa e EUA com grandes cantores.

- Dos lugares nos quais o sr. tocou, qual deles mais valorizava a sua música?

O local que mais me jogou tapete vermelho foi a Alemanha, na Europa. Aqui no Brasil o músico é tipo um “peão”. Ele fica atrás e o cantor é quem leva os louros, é quem fica lá na frente. É quem ganha mais. O show é dele. A gente "acompanha". Mesmo assim, é uma experiência boa. Você conhece bastante gente. O Moraes Moreira, por exemplo - fiquei como parceiro dele. Fiz música com ele em novela e ele virou meu amigo. Todos eles viraram meus amigos. O Dorival Caymmi virou meu amigo; toquei com ele em Portugal, São Paulo, Rio de Janeiro. Na Alemanha cheguei a ser apresentado como o melhor pianista brasileiro.

- Dentre tantas apresentações pelo mundo, alguma foi mais marcante?

Uma vez eu estava tocando em uma cidade alemã, no tempo em que era Alemanha Oriental. Era o dia do meu aniversário, e eu estava tocando com um amigo argentino, Tony, que era do grupo “Raízes da América”, e com um percussionista americano. Fizemos um som de primeira qualidade, e a platéia toda achou incrível. Então o Tony falou que era meu aniversário. Todo mundo cantou parabéns em alemão, e fizeram um brinde pra mim. Também já aconteceu nos EUA várias vezes de eu tocar em grupos de funk, na época que estavam começando os grupos de funk americano, compostos só por negros. Eles não chamavam nenhum branco pra tocar. Quando me conheceram, passaram e me chamar. Eu toquei com eles e pediam pra fazer “aquele som do nordeste do Brasil...aquele baião”. Daí, juntavam com a música deles e era uma loucura. Eu toco jazz com as minhas influências brasileiras, e isso agradava muito.

- E de tantos estilos com os quais o sr. já teve contato, qual lhe agrada mais a ponto de escolher pra tocar pro resto da vida?

Cada um tem sua área. Eu sou “jazzista”, um “jazzman”. Agora, eu toco com todas as minhas influências brasileiras, como eu disse. Eu fiquei seis anos no Conservatório de Roterdã, na Holanda, pra ensinar “brazilian jazz” pra eles. O conservatório me contratava. Eu ia todo ano, passava 6 meses na Europa e 6 meses no Brasil. E eles aprendiam muito, assimilavam. Eu falava em português misturando espanhol e inglês na Holanda. E eles entendiam tudo e gostavam dessa mistura. Nas aulas tinha muita gente, mais de 30 alunos; e era divertido, porque além da música, havia o intercâmbio cultural.

Edison Machado e seu Sexteto na Boate Peaple no Rio de Janeiro em 1990
Músicos: Edison Machado - Drums, Luiz Alves - Bass, Paulinho - Trompete, Macaé - Sx tenor, Edson Maciel - Trombone, Luizão Paiva - Piano.
- Como foi o retorno ao Piauí?

Eu estava no Rio, casei novamente e tive outro filho. Nessa época, o Rio estava em uma “entre safra” musical. Aí eu pensei: por que não o Piauí? Eu já rodei o mundo, já toquei em tanto lugar: Europa, América do Norte...Pensei, então: por que não fazer um trabalho no Piauí? Por que essa discriminação? Então eu vou! Aí eu vim pra cá, e fui convidado pelo então senador Alberto Silva. Ele me chamou pra fazer um projeto pra UFPI junto com ele. Montamos, e hoje está aí, a Escola de Música Adalgisa Paiva, que foi um projeto meu e do senador Alberto Silva. Projeto consolidado que está formando bons músicos. A Emap é uma escola muito boa. Não conheço nenhuma igual no que ela se propõe a fazer, que é colocar músicos no mercado.

- O mundo da música é competitivo?

É competitivo numa boa, mas depende do lugar. Existem certos lugares em que o músico derruba o outro. Aqui no Piauí tem um pouco disso. Agora em outros lugares como na Europa, o cara vê outro tocando muito bem, vai pra casa e estuda pra tocar ainda melhor. A competição é assim, muito saudável. Nos locais culturalmente mais pobres, onde a influência do governo, a política, é muito forte, isso é utilizado para derrubar o outro. No Brasil, o músico ganha um vigésimo ou menos do que o cantor, e isso também é prejudicial.

- O que o sr. pensa sobre a produção musical atual, que vende produtos de qualidade duvidosa?

Mediocrizou tudo. Antigamente, nas paradas de sucesso das rádios populares, tocava “Travessia” de Milton Nascimento, tocava Chico Buarque, Tom Jobim, dentre "as 10 mais". Olha a diferença pra hoje: umas músicas horrorosas que não têm nenhum sentido, paupérrimas musicalmente ! Você espreme e não tem nada. Agora o engraçado é que nos EUA também existe esse tipo de coisa, de produtos musicais enlatados. Mas eles dão valor também às outras coisas. Aqui no Brasil não. O Chico Buarque é considerado velho. O cara é um artista, e artista não envelhece. O fator primordial para mudar isso é a educação. A educação é que é o grande fator de consciência. Difundir a música e transformá-la em História. Nos EUA o Frank Sinatra é um cara que é tema de teses científicas e aqui devia ser assim também. O Brasil ainda está muito atrasado culturalmente. E o Brasil precisa preservar sua cultura. Tem tanta gente que está esquecida por aí, como Pinxiguinha e outros poetas geniais. A preservação da cultura musical deveria ser uma coisa geral, que começasse nas escolas, ensinando música de forma obrigatória. Na época em que estudei em São Paulo, no Arquidiocesano, eu tinha no currículo escolar, dentre outras matérias, a música, o latim, o francês,e o inglês.

- Quais são seus projetos para o futuro?

Eu vim por causa da família. Estou no Piauí, mas estou aberto a fazer trabalhos fora. Vou ao Rio e a São Paulo. Talvez vá a Holanda produzir um disco da minha irmã, que mora lá e canta em bares. Se eu for, eu circulo e toco nos festivais. E outra coisa que eu desejo muito é poder escrever toda a minha obra. Está tudo digitalizado e são mais de 300 músicas, entre arranjos, composições jazzistas e composições pra orquestra. O que eu mais quero nesse momento é poder divulgar isso. Poder levar isso pra Europa quando eu for, e apresentar, pra ninguém dizer que eu deixei uma obra, mas sim que a fiz e apresentei em vida.