quinta-feira, 21 de julho de 2011

Orquestra Nostalgia no Palácio da Música

  • A Orquestra Nostalgia apresentarou-se no dia 28 de Julho, às 20h no Palácio da Música em Teresina. Conheça aqui um pouco da história da orquestra e saiba como foi o show.

A “Orquestra Nostalgia” nasceu em 2006 liderada pelo maestro Rocha Sousa, mas já existia desde de 2002 como um grupo de estudos da Escola de Música Adalgisa Paiva da UFPI intitulada Big Band EMAP. Com o tempo emancipou-se e transformou-se em uma orquestra profissional experimentada que proporciona aos ouvintes de todas as faixas etárias e classes sociais, um repertório orquestrado com músicas que a mais de um século emociona as mais diversas gerações.

Desde sua criação a “Orquestra Nostalgia” já realizou diversos shows, mostrando um repertório versátil, despido de qualquer tipo de preconceito, que inclui desde os temas das orquestras de salão tradicionais, entre outros diversos estilos musicais consagrados.

A “Orquestra Nostalgia” é composta por vinte e dois músicos profissionais, todos compromissados com a qualidade da música popular. São cinco saxofones, um clarinete, quatro trompetes, quatro trombones, dois cantores, guitarra, teclado, baixo, bateria e percussão.

  • No vocal a “Orquestra Nostalgia” tem o cantor Chico Ratum um dos últimos cronner representante das grandes vozes das orquestras de salões, interpretando os clássicos românticos da música popular internacional com arranjos elaborados especialmente para sua voz. A “Nostalgia” tem ainda a linda voz das cantoras Mira e Leni que interpretam clássicos da música popular brasileira.
Para conferir alguns momentos do show com a "Orquestra Nostalgia", basta assistir aos videos abaixo.



terça-feira, 19 de julho de 2011

Banda de Música da PMPI Completa 136 Anos

  • No lugar de armas e munições, trombones, trompetes, clarinetes, saxofones e outros instrumentos musicais. Fica de lado também o som das sirenes que dá espaço à melodia dos instrumentos. Por fim, sai a figura do comandante e entra o papel do maestro. Essa é a Banda de Música da Policia Militar do Piauí.

Ao completar 136 anos de existencia em 17 de julho de 2011, a Banda da PMPI reflete os elementos essenciais para a sobrevivência e a manutenção de qualquer conjunto musical: organização, disciplina e dedicação.

Para comemorar o 136º aniversário de criação da banda, a Policia Militar do Estado do Piauí organizou no dia 18/07/2011, uma solenidade alusiva a data no auditório de ensaio da banda no quartel do CFAP. A solenidade foi presidida pelo Cmt Geral da PMPI e contou com a presença dos Cmts de Unidades, de ex-integrantes da banda e de familiares dos músicos.

Durante a solenidade houve uma apresentação musical da banda, homenagens para os ex-maestros que receberam placas alusivas a data e decerramento de um quadro com uma foto histórica da banda de 1962.

O Papel das Bandas Militares
  • No Brasil, os músicos militares exercem um papel relevante na sociedade brasileira desde os tempos coloniais. Porém, não mais motivados somente pelos combates e batalhas, mas principalmente através de suas apresentações cívicas, religiosas e muito mais sociais do que no início da história da música em ambiente militar.
Ainda hoje a banda de música militar permanece mantendo a sociedade brasileira com boa música e bons músicos, aceitando em seus quadros jovens instrumentistas que encontram na vida militar aliada à formação musical um modo de inclusão social.
  • Neste contexto se inserem as bandas de música das Polícias Militares, que além de desenvolverem trabalho de segurança pública ostensiva, mantêm em seu contingente um quadro de músicos objetivando a conservação das tradições musicais e cívicas de bandas militares.
Em consonância a esta realidade, a Província do Piauí, baseada na lei, resolução nº. 909 de 17 de julho de 1875, criou a banda de música da força policial da Província do Piauí, hoje Banda de Música da Polícia Militar do Estado do Piauí, que iniciou suas atividades, tendo como primeira formação 20 (vinte) músicos. Desde então, o grupo executa além de repertório voltado de forma mais especificamente para a caserna, também atua intensamente em atividades junto sociedade civil em geral.

Monção de Louvor à Banda PMPI
  • Nesse momento em que a Banda PMPI comemora 136 anos de atividade musical, foi aprovado por unanimidade na camara municipal de Teresina uma "Monção de Louvor à Banda da PMPI" pelos excelentes serviços público prestado ao longo de seus 136 anos de história. A proposta da Monção de Louvor à brisosa banda PMPI foi uma inciativa do vereador Edivaldo Marques (Ex-Cmt da PMPI), a quem nos associamos nessa homenagem e a todos que nesse momento reconhecem a contribuição significativa da Banda PMPI para o desenvolvimento da cultura musical no estado do Píauí.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Banda de Música de União na Cidade de Altos - Pi

  • A Banda Mirim da Escola Padre Luiz Brasileiro da cidade de União-Pi participou da comitiva de unionenses que viajaram no dia 06-07-2011 a cidade de São José dos Altos - Pi, a fim de participar do inicio das comemorações do centenário de nascimento do Padre Luiz de Castro Brasileiro.

Prof. Ferreira idealizador do projeto fazendo seu discurso durante a solenidade
 Texto: Marcelo Cruz (Gerente de Cultura e Arte de SEMEC de União).
Padre Luis de Castro Brasileiro nasceu no dia 07/09/1912, na cidade de Jerumenha – PI. Foi ordenado sacerdote no dia 08/12/1940 por Dom Severino, no dia 15/10/1942 assumiu a Paróquia de Nª Senhora dos Remédios em União e aqui permaneceu até 1961. 

Sacerdote dinâmico e articulado conseguiu para nossa cidade uma série de benefícios, entre os quais podemos citar: Ajudou a construir o Cine-Teatro (salão) Paroquial, primeiro e único teatro de nossa cidade; fundou o tradicional colégio Patronato Maria Narciso; Participou da comissão de fundação do Ginásio Felinto Rego; montou uma amplificadora, proporcionando a grande população que não tinha acesso a informação, ouvir as rádios AM´s da época; engrandeceu a festa de S. Raimundo Nonato com a noite dos vaqueiros, no dia 29.

Foi formada então em União uma comissão, organizada pela paróquia Nossa Senhora dos Remédios, com o objetivo de festejar o centenário de nascimento desse grande sacerdote. Dessa forma as celebrações se iniciaram ontem na cidade de Altos, ultima cidade em que foi pároco e, que veio a falecer no dia 06/071980, portanto há 31 anos.

A Prefeitura Municipal de União, então, disponibilizou um ônibus que levou uma comitiva de 50 pessoas a cidade de Altos, composta pela referida comissão organizadora, os músicos da Banda “Padre Luis de Castro Brasileiro”, grupo de vaqueiros, e alunos da U.E. Filinto Rêgo. Além desse esteve também presente um grupo de 15 pessoas, parentes do padre Luis, vindos de Teresina.

Foi celebrada então uma missa em memória do referido padre, e em seguida a comissão organizadora sublinhou os objetivos das comemorações para os presentes na igreja. Logo depois aconteceu uma apresentação de “Aboios” de vaqueiros de União, e por fim, fechando com chave de ouro, uma belíssima apresentação da Banda “Padre Luis de Castro Brasileiro”, a qual emocionou a todos.


  • Além desse evento realizado na cidade de Altos - Pi a banda Pr. Luiz de Castro Brasileiro vem se destacando em cada apresentação que faz nos eventos que participa.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

O Nome dos Bois


Qual é a maior festa popular brasileira? Para um carioca, a resposta será óbvia. Para os nordestinos, será também óbvia, mas diferente. Enquanto aqueles gritarão “carnaval”, estes dirão “festa junina”, sem pestanejar. Mas a grande nação brasileira do Norte, que se estende do Maranhão até os confins da Amazônia, retrucará que como a festa do boi não tem.

  • E no Piauí: Qual a Festa Mais Popular do Nosso Povo? Apresentaremos aqui algumas das festas que mais traduzem a riqueza da cultura popular da nossa gente. 

O Reisado de Boa Hora - Pi

O reisado de Boa Hora é uma festa secular cultural e religiosa muito popular na região. A simplicidade é a principal característica do reisado de Boa Hora. As indumentárias são feitas de forma artesanal e pelos próprios brincantes. As cantadeiras usam roupas comuns e carregam uma toalha de chita, através da qual segura a imagem de Santos Reis. As roupas dos caretas são feitas de palhas do buriti e eles usam os chinelos para dar um tom e ritmos á brincadeira e máscaras feitas da péle de animais para cobri o rosto.

  • A animação vem também de um sanfoneiro e um mandador (cantador) que fazem à apresentação e animação do boi. Os bois são feitos do talo do buriti palmeira típica da região e coberto por um pano de chita (péle do boi). Os tiradores de reis saem de casa em casa em peregrinação durante seis noites pagando suas promessas pelas graças alcançadas.

A dinâmica é apresentada por todos os bois, primeiro às cantadeiras se apresentam cantando nas portas das casas, o dono da casa recebe o Santo se aceitar o reisado coloca o boi para brincar, se não pago só a esmola do santo, depois à danças dos caretas e em seguida a dança do boi e assim seguem durante seis noites. O reisado de Boa Hora começa no dia 31 de dezembro e encerra no 6 de janeiro de cada ano.




Os Festejos de São Raimundo Nonato em União - PI

Os Festejos de São Raimundo Nonato realizado na cidade de União - Pi, no mês de agosto e a passeata do dia nacional dos vaqueiros que acontece a mais de 50 anos no dia 29 de agosto reunindo mais 1.000 vaqueiros.



Mas é em Parintins, no estado do Amazonas, que a festa do boi-bumbá atinge seu ápice. No bumbódromo, que comporta 35 mil pessoas, a multidão assiste a um espetáculo (Felliniano? Holliwoodiano? Carnavalesco?) que envolve milhares de pessoas, fantasias, carros alegóricos, luzes, dançarinos, cantores, efeitos especiais e muita música.

Diferente da Marquês de Sapucaí, a festa aqui é maniqueísta. Há somente duas agremiações, o boi Caprichoso e o Garantido, o Azul e o Encarnado, reminiscência de outras festas de origem medieval, trazidas pelos chamados “soldados da borracha”, pioneiros nordestinos que se embrenharam pelas matas acompanhando o curso dos grandes rios.

A rivalidade é tanta que os partidários de um só se referem ao outro como “o boi contrário”. Quando um entra em cena, a torcida adversária faz silêncio, só percutindo as suas matracas, lá chamadas de palminhas, depois que o primeiro se retira. Existe até nota para o comportamento da torcida. O júri decide quem fez a melhor apresentação, com pressão, chicanas, jogos de cena e apelações por parte dos dirigentes, como nos carnavais sulistas.

As toadas caprichosas e garantidas são vendidas, distribuídas e cantadas em toda a Amazônia, ultrapassando fronteiras.

Chegar lá é uma aventura. Ou avião (e os vôos lotam com muita antecedência), ou barco, pois estrada não há. Parintins fica na ilha de Tupinambarana, na margem direita do rio Amazonas, a 420 km da capital. Do porto de Manaus, no rio Negro, saem dezenas de embarcações, grandes e pequenas, equipadas com camarotes, cabines ou simples redes, levando os aficionados rio abaixo.

A viagem leva cerca de 18 horas, e normalmente são comprados pacotes que incluem hospedagem no próprio barco. A população da cidade, de cem mil habitantes, dobra nessa época, e a única solução viável é a pousada aquática. A volta demora 24 horas, rio acima.

Um outro Brasil, que aos poucos vai sendo descoberto pela televisão pelo potencial imagético, e que exibe uma musicalidade ainda desconhecida para muitos brasileiros. E se, como aconteceu no Carnaval carioca, existirem nesse meio compositores mais autorais, criadores, inovadores, originais em sua visão poética de mundo? Haverá algum Silas de Oliveira ou Mano Décio da Viola perdido na beira de um igarapé, compondo suas toadas em homenagem aos mitos amazônicos e universais?

Parintins, ilha e elo entre as várias nações que compõem este país, ainda tem muito a revelar.

Por: Daniel Brasil

sábado, 2 de julho de 2011

I Festival de Música Instrumental de Teresina


  • Acontece de 04 a 09 de Julho na cidade de Teresina o "I Festival de Música Instrumental de Teresina", uma boa oportunidade para os músicos da cidade apefeiçoarem-se com excelentes professores de nivel internacional e para a cidade que ganha em um mês de férias uma movimentação com uma intensa atividade musical.
Os festivias de música ou festivais de inverno como queiram, têm em Campos do Jordão seu grande modelo. O Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão, que chega a sua 42ª edição como o maior evento do gênero na América Latina, foi criado em Estado de São Paulo pelo compositor Camargo Guarnieri, em 1970. Em 1973, no entanto, a chegada de Eleazar de Carvalho à direção artística do evento daria a ele a estrutura que o caracteriza até hoje: a mescla entre cursos de música e uma extensa programação de concertos.
  • Este modelo de festival de música acabou disseminando-se no pais e é chamado pelo maestro Reginaldo Carvalho de Piquinique Musicais”.
O principal papel de um festivial de música é tentam suprir a falta de escolas regulares de música, oferecendo aulas e master classes, permitindo aos alunos fazer contatos, conhecer repertórios diferentes, ouvir profissionais de boa qualidade e tocar em conjuntos especialmente formados para os festivais. Ao mesmo tempo, levam para a cidade em que se instalam uma programação musical a que a maioria delas pouco tem acesso ao longo do ano.



A formação da maioria dos jovens músicos piauienses se faz por meio de projetos sócio-educativos espalhados nos diversos municipios, como os oferecidos em Teresina pela Fundação Mosenhor Chaves através dos projetos "Banda Escola", "Orquestra Escola" e "Violão na Escola". Poucos podem ter uma formação básica formalizada, continuada e consistente por falta de escolas públicas de ensino musical. As exceções são o curso de música da UFPI, o curso técnico do Instituto Federal do Piauí (IFPI), antigo Cefet, e da Escola de Música de Teresina.
  • Outros organismos como o Música Para Todos e a Emap (Escola de Música Adalgiza Paiva) são projetos que fazem o papel de oferecer cursos gratuítos mas não conseguem suprir a falta das escolas públicas de música.
Então: seguindo essa tendência, ainda que tarde, a cidade de Teresina realiza o I Festival de Música Instrumental de Teresina, uma iniciativa da Prefeitura Municipal de Teresina através da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves que há vinte e cinco anos fomenta as artes em Teresina-Pi.
  • O importante é que a cidade que já faz muito pela música através de diversos projetos e iniciativas, sendo exemplo regional, percebe que um festival de música é uma excelente oportunidade para promover a difusão e o ensino de música para todos.